Compreendendo o conceito território a partir da linguagem fílmica: a animação “O Rei Leão” como possibilidade didática no ensino de Geografia

  • Felipe Santos Silva Universidade Federal de Alagoas
  • Lívia Thaysa Santos de Albuquerque Gama Universidade Federal de Alagoas (UFAL)
  • Maria Luiza Bráz Universidade Estadual de Alagoas (UNEAL)

Resumo

RESUMO: O ensino de Geografia tem sido problematizado nos últimos anos e novas abordagens metodológicas têm sido propostas à luz da superação de metodologias tradicionais de ensino. Visando preencher uma lacuna existente na teoria que envolve as metodologias do ensino de geografia, o presente artigo busca propor a utilização da linguagem fílmica para o entendimento do conceito território a partir da animação “O Rei Leão”. A linguagem fílmica, agregada ao entendimento do conceito território, apresenta-se como uma possibilidade ao ensino de Geografia, por ser capaz de aproximar o conceitual – que muitas vezes parece distante dos alunos – a realidade concreta. Assim, acredita-se que esta proposta seja capaz de proporcionar o desenvolvimento de habilidades e competências no que tange a esse campo de aprendizagem, principalmente por permitir que a complexidade teórica do conceito território seja desvendada a partir de uma linguagem interativa e prazerosa como a linguagem fílmica, que, mesmo sendo de fácil acesso, ainda possui alguns entraves no campo do ensino, principalmente no que diz respeito às dificuldades de planejamento.  

PALAVRAS-CHAVE: Ensino de Geografia. Território. Didática. Linguagem fílmica.

Biografia do Autor

Felipe Santos Silva, Universidade Federal de Alagoas
Licenciado em Geografia pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL/Campus do Sertão) e Especialista em Geo-História pela Faculdade de Ensino Regional Alternativa (FERA/Arapiraca). Estudante de Pós-Graduação (Lato Sensu) em Metodologia do Ensino de Geografia e suas Tecnologias, pela Universidade Estadual de Alagoas (UNEAL), e em Metodologia do Ensino de Geografia pela Faculdade de Ensino Regional Alternativa (FERA/Arapiraca). Durante a graduação em Geografia foi bolsista do Programa Institucional do Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID/CAPES), onde desenvolveu projetos educacionais para o ensino de Geografia no segundo ciclo do Ensino Fundamental, ligados à Climatologia e Cartografia. Participa como membro ativo do Grupo de Estudos e Pesquisa em Análise Regional (GEPAR/CNPQ), onde integra o Grupo de Estudos em Geografia Cultural, e do Grupo de Pesquisa Geoprocessamento e a Cartografia no Ensino de Geografia (GCEG/CNPQ). Atua como Professor Substituto no segundo ciclo do Ensino Fundamental, na área de Geografia, pela Prefeitura de Arapiraca - AL. Foi bolsista de Mobilidade Acadêmica na Universidade Federal de Uberlândia (UFU), financiado pelo Banco Santander, em parceria com a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (ANDIFES), onde estagiou no Laboratório de Geografia Cultural e de Turismo (LAGECULT/UFU). Foi monitor das disciplinas Quantificação em Geografia e Geografia Cultural, ofertadas pelo curso de Geografia da UFAL. Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Geografia Humana, atuando principalmente nos seguintes temas: Ensino de Geografia, Geografia Cultural e Festas Rurais.
Lívia Thaysa Santos de Albuquerque Gama, Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

Graduada em Pedagogia pela Universidade Pitágoras Unopar ; Acadêmica em Geografia Licenciatura pela Universidade Federal de Alagoas [UFAL]. Pós graduanda em Metodologia do Ensino de Geografia e Suas Tecnologias [UNEAL] e Ensino de Geografia [UFAL]. Atuou como monitora nas disciplinas: Teoria e método em Geografia (2015-2016); Espaço mundial, Poder,Territórios e Redes (2016-2017); Meio ambiente, Sistemas energéticos e Politicas Públicas (2017-2018), ambas no curso de Geografia Licenciatura, modalidade à distância, na Universidade Federal de Alagoas. É membro do Núcleo de Estudos Agrários e Dinâmicas Territoriais [NUAGRÁRIO], desenvolvendo pesquisas relacionadas a linha de pesquisa: Dilemas e contradições no Ensino-aprendizagem da Geografia Escolar em Alagoas.

Maria Luiza Bráz, Universidade Estadual de Alagoas (UNEAL)

Mestre em Educação Brasileira e Licenciada em Geografia pela Universidade Federal de Alagoas . Professora Assistente da Universidade Estadual de Alagoas e participante do núcleo de pesquisas agrárias (NUPEA).

Publicado
2020-01-13
Como Citar
Silva, F. S., Gama, L. T. S. de A., & Bráz, M. L. (2020). Compreendendo o conceito território a partir da linguagem fílmica: a animação “O Rei Leão” como possibilidade didática no ensino de Geografia. Diversitas Journal, 5(1), 443-454. https://doi.org/10.17648/diversitas-journal-v5i1-994