Aspectos clínicos da cavidade oral de pacientes com a síndrome congênita do zika: revisão da literatura

  • João Victor Macedo Marinho Centro Universitário CESMAC
  • Kristiana Cerqueira Mousinho Centro Universitário CESMAC
  • Camila Maria Beder Ribeiro Girish Panjwani Centro Universitário CESMAC
  • Sonia Maria Soares Ferreira Centro Universitário CESMAC
  • Aleska Dias Vanderlei Centro Universitário CESMAC

Resumo

RESUMO: O vírus Zika pertence a família Flaviviridae, gênero Flavivírus e foi descoberto em 1947 nos macacos rhésus, na floresta Zika em Uganda na África, daí a origem do nome Zika. Inicialmente apresentava os mesmos sintomas febris da dengue. Teve seu primeiro relato em humanos em 1960 ainda na África. Na década de 1970 o vírus se espalhou e chegou a Indonésia, India, Paquistão e Malásia. Seu principal vetor no Brasil é o mosquito Aedes aegypti. Entre o final de 2014 e início de 2015, surgiu um surto de uma doença exantemática clinicamente diferente da dengue. A confirmação da presença do vírus Zika no Brasil ocorreu em março de 2015. Coincidentemente em agosto do mesmo ano começaram a nascer crianças com microcefalia neonatal no estado de Pernambuco e em outros estados do Nordeste brasileiro. Diante desse surto desconhecido de microcefalia, o Ministério da Saúde declarou emergência nacional. Logo após, foi estabelecida uma relação causal entre o vírus Zika e a série de alterações congênitas que posteriormente foi denominada Síndrome Congênita do Zika. Em aproximadamente 90% dos casos, a microcefalia está associada a alterações neurológicas. O presente estudo teve como ênfase a seguinte questão norteadora: Existem alterações clínicas orais em pacientes acometido pela Síndrome Congênita do Zika? Tendo como objetivo relatar os aspectos clínicos da cavidade oral em pacientes com a Síndrome Congênita do Zika, através de um levantamento bibliográfico. Trata-se de uma revisão da literatura, realizada em publicações feitas a partir de 2014, utilizando as plataformas de pesquisa PubMed, Lilacs, Scielo, BVS e Google Acadêmico. Esses resultados apontam que podem existir alterações na cavidade oral em crianças com Síndrome Congênita do Zika, demonstrando que os efeitos causados pelo vírus Zika estão além dos danos neurológicos. Por se tratar de uma Síndrome recém-descoberta, os dados referentes aos achados clínicos orais em crianças com Síndrome Congênita do Zika são poucos e ainda precisam ser mais pesquisados. Sugerimos que sejam feitos estudos com exames complementares pra reforçar e até aumentar os achados clínicos das crianças com Síndrome Congênita do Zika.

PALAVRAS-CHAVE: Microcefalia, Zika Vírus, Saúde Bucal.

Publicado
2020-01-13
Como Citar
Marinho, J. V. M., Mousinho, K. C., Panjwani, C. M. B. R. G., Ferreira, S. M. S., & Vanderlei, A. D. (2020). Aspectos clínicos da cavidade oral de pacientes com a síndrome congênita do zika: revisão da literatura. Diversitas Journal, 5(1), 57-65. https://doi.org/10.17648/diversitas-journal-v5i1-932