Utilização da etnozoologia e educação ambiental para desvendar a concepção das crianças em relação aos anfíbios anuros

  • Jéssika Silva de Lima Universidade Estadual de Alagoas - UNEAL
  • Carlos Miguel Azarias dos Santos
  • Cristiane Kelly Aquino dos Santos

Resumo

RESUMO: A ausência do conhecimento sobre os anfíbios anuros pode acarretar no extermínio banal das espécies. A etnozoologia estuda a relação entre as culturas humanas sobre os animais. O estudo teve como objetivo  verificar  a  utilização   da  etnozoologia  e  a  educação   ambiental   podem  ser  conduzir  como ferramentas  para mudança  da  visão  dos  alunos  sobre  os  anfíbios  anuros,  visando  a conservação  de  ser ambiente natural e tornando possíveis multiplicadores ambientais. Trabalho realizado com 30 alunos, de faixa etária entre 11 e 13 anos, da Escola Estadual Dr. José Tavares, localizado em Arapiraca, estado de Alagoas.  Foi  aplicado  um  questionário  antes  da  intervenção,  com  perguntas  simples,  com  o  intuito  de verificar a percepção dos alunos sobre os anfíbios anuros. Posteriormente foi realizada uma palestra com propósito   de   transmitir   informações   sobre  os   anfíbios   anuros,   logo   em   seguida   foi  reaplicado   o questionário para verificar se ocorreram mudanças no pensamento dos alunos com relação a esses animais. Percebeu-se que 89% dos alunos fizeram ou se deparam com cenas de maltrato aos anfíbios anuros e 85% não  sabia  a  importância  desses  animais  no  meio  ambiente.  Contudo,  vimos  que  após  a  intervenção,  a concepção primitiva dos alunos muda em 100% e todos entenderam a importância dos anfíbios no meio ambiente. É notório  que a intervenção através  da educação  ambiental melhora as atitudes,  promovendo assim um melhor convívio entre os seres humanos e aos demais animais, contribuindo para a conservação e proteção da fauna.

PALAVRAS-CHAVE: biodiversidade; extinção; zoologia.

Biografia do Autor

Jéssika Silva de Lima, Universidade Estadual de Alagoas - UNEAL

Graduanda do curso de Ciências Biológicas da Universidade Estadual de Alagoas.

Referências

AGUIAR, A.R.; ARAÚJO JR, C. A. P; FERREIRA, K. G. 2011. Percepção sobre anfíbios em estudantes universitários e populares de comunidades interioranas do estado do Rio Grande do Norte. In SEABRA, G. & MENDONÇA, I. 2011. Educação Ambiental: responsabilidade para a conservação da sociobiodiversidade. Editora Universitária da Universidade Federal da Paraíba - UFPB. pp 169-174.

ARAÚJO, S. A. 2007. Paradoxos da modernidade: a crença em bruxas e bruxaria em Porto Alegre. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, 246 p.

BERNARDE, P. S. 2012. Anfíbios e Répteis. Introdução ao estudo da Herpetofauna Brasileira. Curitiba. Anolis Books. 320p.

BERNARDE, P. S. ANIMAIS “NÃO CARISMÁTICOS” E A EDUCAÇÃO AMBIENTAL, Editorial, v.5. n.1. p.1-7. ano 2018.

FUNASA, Fundação Nacional de Saúde. Manual de diagnóstico e tratamento de acidentes por animais peçonhentos. Brasília, 1998. 131p.

GOUVEIA, R.V.; NETO-SILVA, D.A.; SOUSA, B.M.; NOVELLI, I.A. Evaluation of injuries caused by anthropic action in snakes from Brazil. Braz. J. Biol, v.75, n.3, p.535- 540, 2015.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia, 2016. Disponível em http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=270030. Acessado em 15 de setembro de 2018.

MASON, O. T. 1899. Aboriginal American zootechny. American Anthropologist, vol.1, n.1, pp. 45-81.

MEDEIROS, A. B.et al. A Importância da educação ambiental na escola nas séries iniciais. Revista Faculdade Montes Belos. Belo Horizonte, v. 04, n. 01, p. 22-26, 15 set 2011.

POSEY, D. A. 1986. Entomologia de tribos indígenas da Amazônia. In RIBEIRO, D. (ed.). Suma Etnológica Brasileira. Vozes/Finep. . v.1, pp. 251-272.

RESTREPO, L. C. O direito à ternura. 3. ed. Petrópolis, 2001.

RIBEIRO, C. D. L.; RIBEIRO, P. P.; IRIAS, N. G. & SILVA, M. T. H. 2012. Educação Ambiental: Desvendando a concepção das crianças em relação aos anfíbios anuros. Revista Mediação, v.1, pp. 54.

SILVA, S.G.; MANFRINATO, M.H.V.; ANACLETO, T.C.S. Morcegos: percepção dos alunos do Ensino Fundamental 3º e 4º ciclos e práticas de Educação Ambiental. Ciênc. Educ, v.19, n.4, p.859-877, 2013.

TOCHER, M.D. 1998. Diferenças na composição de espécies de sapos entre três tipos de floresta e campo de pastagem na Amazônia central. In GASCON & MONTINHO, P. (Eds.) Floresta Amazônica: dinâmica, regeneração e manejo. INPA, Manaus. pp. 219-233.

Publicado
2020-04-07
Como Citar
Lima, J. S. de, Santos, C. M. A. dos, & Santos, C. K. A. dos. (2020). Utilização da etnozoologia e educação ambiental para desvendar a concepção das crianças em relação aos anfíbios anuros. Diversitas Journal, 5(2), 814-823. https://doi.org/10.17648/diversitas-journal-v5i2-726