Saúde na Escola: a abordagem de educadores sobre as ectoparasitoses em duas escolas públicas do município de Murici, Alagoas

  • João Paulo Martins de Araújo Universidade Federal de Alagoas
  • José Rodrigo da Silva Ferreira Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas
  • Thiago José Matos Rocha Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas; Centro Universitário Cesmac
  • Claudia Maria Lins Calheiros Universidade Federal de Alagoas

Resumo

RESUMO: Os parasitos que habitam o sistema tegumentar humano são denominados ectoparasitos, sendo responsáveis por causar as doenças ectoparasitárias. Essas doenças costumam ser recorrentes em crianças e adolescentes em idade escolar. Visando determinar um diagnóstico inicial sobre a problemática em nosso meio, esse estudo se desenvolveu através da visão de educadores (professores e gestores) de duas escolas municipais de ensino fundamental de Murici-AL, e teve como intuito verificar, alguns mitos atrelados à conceitos básicos, assim como o referido tema é trabalhado no meio escolar. Para isso foi utilizado um instrumento de coleta de dados, representado por um questionário aos educadores, contendo questões objetivas sobre vários aspectos das diversas ectoparasitoses. Como benefício direto, foi entregue um panfleto de sensibilização educativa acerca dos principais ectoparasitos com informações básicas sobre ciclo de vida, transmissão e tratamento. Foi verificado que 31% dos educadores consideram as ectoparasitoses como problema de saúde pública, e 97% afirmaram ser a pediculose e a escabiose as ectoparasitoses mais conhecidas. 70, 60 e 50% dos educadores, respectivamente, desconheciam Larva Migrans Cutânea, Tungiase e Miíase. Com relação a pediculose, 52% fazem o diagnóstico e enviam comunicado aos responsáveis. Quanto aos mitos da pediculose, 14% acham que a transmissão envolve animais; 79% acham que a escola não é fonte de infestação; 86% acham que a transmissão é relacionada exclusivamente ao fator socioeconômico e 21% concordam que o piolho salta ou voa. Foram identificados a existência de muitas dúvidas e mitos em relação a temática trabalhada, sendo imperiosa a necessidade da abordagem dos temas de educação em saúde, como preconiza os Parâmetros Curriculares Nacionais em Saúde (PCNs), afim de que os alunos alcancem melhor qualidade de vida e possam gozar de um desenvolvimento físico, mental e social saudável para um pleno desempenho educacional.

PALAVRAS-CHAVES: Ectoparasitoses, pediculose em escolares, educação em Saúde.

Referências

Heukelbach J. Tungíase. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo, 2005; 47(6): 307-313.

Heukelbach J, Franck S, Feldmeier H. Therapy of tungiasis: a double-blinded randomized controlled trial with oral ivermectin. Mem Inst Oswaldo Cruz, 2004; 99(8): 873-876.

Heukelbach J, van Haeff E, Rump B, Wilcke T, Moura RC, Feldmeier H. Parasitic skin diseases: health care-seeking in a slum in north-east Brazil. Trop Med Int Health, 2003; 8(4):368-73.

Linardi PM. Anoplura. In: Parasitologia Humana (Neves DP, Melo AL, Genaro O, Linardi PM), pp. 368-372, São Paulo: Editora Atheneu, 2002.

Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais : meio ambiente, saúde / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília : 128p, 1997.

Borges-Moroni R, Nunes SCB, de Souza RBA, Mendes J, Moroni FT. O conhecimento de cuidadores e cabelereiros sobre aspectos epidemiológicos da pediculose da cabeça em Manaus, AM, Brasil. Scientia Amazonia, 2015; 4(2):60-65.

Goldschmidt AI, Loreto E. Investigação das concepções espontâneas sobre pediculose entre pais, professores, direção e alunos de educação infantil e anos iniciais Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 2012; 11 (2): 455-470.

Gabani FL, Maebara CML, Ferrari RAP. Pediculose nos centros de educação infantil: conhecimentos e práticas dos trabalhadores. Esc Anna Nery Rev Enferm, 2010; 14 (2): 309-317.

Carvalho TF, Ariza L, Heukelbach J, Silva JJ, Mendes J, Assis e Silva A, Limongi JE. Conhecimento dos profissionais de saúde sobre a situação da tungíase em uma área endêmica no município de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil, 2010. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, 2012; 21(2): 243-251.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010.

Campelo Júnior EB, Calheiros CML, Soares VL, Jackson NA, Heukelbach J. Status Ectoparasitário da Tungíase em Área Hiperendêmica no Estado de Alagoas. In Congresso Pan Americano de Parasitologia, UFRS, 2006. 2-11p.

Wilcke T. et al.; In. Heukelbach J, Oliveira FAS, Feldmeier H. Ectoparasitoses e saúde pública no Brasil: desafios para controle. Cad. Saúde Pública, 2003; 19(5): 1535-1540.

Souza PAT. Pediculose na escola: uma oportunidade para aprender e ensinar. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, 2008.

Elgart ML, Higdon RS. Canine scabies: report of a family outbreak. Sth. med. J.,65:375-6, 1972.

Publicado
2020-04-07
Como Citar
Araújo, J. P. M. de, Ferreira, J. R. da S., Rocha, T. J. M., & Calheiros, C. M. L. (2020). Saúde na Escola: a abordagem de educadores sobre as ectoparasitoses em duas escolas públicas do município de Murici, Alagoas. Diversitas Journal, 5(2), 921-937. https://doi.org/10.17648/diversitas-journal-v5i2-678