Ensino em rede municipal: bem distante da Educação do Campo e da Educação Popular

  • Maria Aparecida Vieira de Melo Universidade Federal de Pernambuco; Universidade Federal da Paraíba;Universidade Federal Rural de Pernambuco

Resumo

Analisar a situação de escolas municipais à luz do ideário da Educação do Campo e da Educação Popular foi a finalidade da pesquisa que deu margem ao presente artigo, desenvolvida no Município de Canhotinho, situado no Agreste Pernambucano. Ela foi orientada pelas questões: como são desenvolvidas as práticas pedagógicas em escolas de rede municipal de Canhotinho - PE situadas em contextos rurais?  Que aproximações tais práticas processam com os ideários da Educação do Campo e da Educação Popular? Seu objetivo consistiu em analisar práticas psicopedagogas em escolas municipais de contextos rurais. Canhotinho, no agreste de Pernambuco, foi o locus da pesquisa. Efetuaram-se entrevistas com 7 professoras daquela Rede Municipal e se processaram  10 sessões de observação em sala de aula. Foi possível perceber que ainda perdura, de forma alarmante, a prática das turmas multisseriadas, o que condiciona muitos desdobramentos psicopedagógicos. Percebeu-se também a predominância de características notadamente urbanocêntricas que distanciam estas realidades do ideário da educação do campo e também da educação popular. Além disso, a pesquisa deu margem a considerações que parecem pertinentes em torno da questão da identidade do Professor(a) do Campo e do Professor(a) no campo.

Biografia do Autor

Maria Aparecida Vieira de Melo, Universidade Federal de Pernambuco; Universidade Federal da Paraíba;Universidade Federal Rural de Pernambuco

Doutoranda em Educação pela UFPB (qualificada) - Linha de Pesquisa: Educação Popular. Mestra em Educação, Culturas e Identidades pela UFRPE/FUNDAJ (2015). Pedagoga pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (2010). Especialista em psicopedagogia; Gestão Pedagógica; educação em direitos humanos, educação do campo, história e cultura dos povos indígenas, tecnologias e artes. Interesses em: Educação do campo, educação popular, movimentos sociais, processos educativos, interdisciplinaridade. Formação de professores. Gestão pedagógica e Políticas educacionais. Livros didáticos. EJA. Transdisciplinaridade. Complexidade. Estágio supervisionado. EAD.

Referências

ARROYO, M.G. Apresentação. In: CALDART, R.S. Pedagogia do Movimento Sem-Terra: escola é mais do que escola. Petrópolis: Vozes, 2005.

CALDART, Roseli Salete. Pedagogia do movimento sem-terra. Expressão popular, 2009.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 17 ed. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1987.

GOHN, Maria da Glória. Movimentos sociais na contemporaneidade. Revista Brasileira de Educação v. 16 n. 47 maio-ago. 2011.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/home.php Acesso em 21 jul de 2015.

MEC/INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Data escola Brasil. Disponível em http://www.dataescolabrasil.inep.gov.br/dataEscolaBrasil/ Acesso 28 jul de 2015.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11. ed. São Paulo: Hucitec, 2008.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (Porto Alegre). Centro de Formação Continuada de Professores. Marie Jane Soares Carvalho; Breno Neves; Rafaela Melo. CultivEduca - valorizar o educador faz toda a diferença. BR nº 512014001340-5, 07 jun. 2015. CultivEduca, 2015. Disponível em: <http://www.cultiveduca.org/2603702.html>. Acesso em: 29 jul. 2015.

Publicado
2019-10-02
Como Citar
Melo, M. A. V. de. (2019). Ensino em rede municipal: bem distante da Educação do Campo e da Educação Popular. Diversitas Journal, 4(3), 925-929. https://doi.org/10.17648/diversitas-journal-v4i3.614