O Jogo matemático Trilha com auxílio à aprendizagem

  • Elisângela Maria Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco/PARFOR
  • Simone Lima Alves Pequeno Universidade Federal Rural de Pernambuco/PARFOR
  • Maria Aparecida Vieira de Melo Universidade Federal Rural de Pernambuco/PARFOR

Resumo

RESUMO: Este trabalho foi desenvolvido no semestre de conclusão do curso da 2ª licenciatura em Pedagogia do PARFOR (Plano Nacional de Professores da Educação Básica), programa este em regime de colaboração entre a Capes e a UFRPE. O presente trabalho teve por  finalidade desenvolver um jogo adaptado para o trabalho com números fracionários intitulado “A Trilha das Frações,” objetivando mais especificamente promover a articulação entre atividades lúdicas e as situações concretas dos números nas vidas dos estudantes no cotidiano, bem como valorizar a participação ativa e constante dos alunos. Está fundamentado a luz de autores como D’Ambrósio (2016); Fazenda, (1997); Kami, (1990) e Vygostsky (1998).  Para tanto, escolhemos como público alvo uma turma do 5° ano do Ensino Fundamental de uma escola pública do Município de Barreiros e com base na metodologia participativa propusemos a construção coletiva do jogo.  Em seguida, formamos dois grandes grupos, explicamos as regras, jogou-se e ao término das atividades lúdicas solicitamos que cada aluno escrevesse o que aprendeu do jogo. Os resultados foram satisfatórios, uma vez que os estudantes demonstraram  interesse em aprender os conteúdos envolvidos, atuaram com maior colaboração e autonomia na busca das soluções dos problemas e produziram textos, o que contribuiu para o letramento dos discentes tanto em língua portuguesa como em Matemática. Conclui-se que a intervenção realizada por meio deste trabalho permeou a importância de utilizar o jogo como recurso de ensino-aprendizagem, pois contribui para a construção de conceitos matemáticos de maneira mais lúdica e divertida, ressignificando os saberes numéricos do cotidiano das crianças.

 

PALAVRAS CHAVE: Interdisciplinaridade, ludicidade, autonomia.

Referências

D’AMBRÓSIO, Ubiratan. Vídeo: Como surgiu a Etnomatemática. UNIVESP TV. São Paulo, 2013. Data da Pesquisa: 19/07/2016.

FAZENDA, Ivani Arantes Catarina. Integração e interdisciplinaridade no ensino brasileiro: efetividade ou ideologia. Loyola. São Paulo, 1979.

KAMII, Constance. A criança e o número. Editora: Papirus, 36ª Edição. Campinas-São Paulo 1990.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. Editora Cortez. 5ª Edição. São Paulo, 2001.

LEWIN, Kurt. Problemas com dinâmica de grupo. São Paulo: 1948.

MEC. Parâmetros Curriculares Nacionais: Introdução aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília, 1997.

PEREIRA. E. M. A. Professor como pesquisador: o enfoque da pesquisa-ação na prática docente. In: FIORENTINI, D. GERALDI, C. M. G. PEREIRA, E. M. A. (Orgs). Cartografias do trabalho docente: professor(a)-pesquisador(a). Campinas: Mercado das Letras, 1998.

VYGOTSKY, Lev Semenovich. A formação social da mente. 6ª Edição. Martins Fontes. São Paulo, 1998.

Publicado
2020-07-07
Como Citar
Silva, E. M., Pequeno, S. L. A., & Melo, M. A. V. de. (2020). O Jogo matemático Trilha com auxílio à aprendizagem. Diversitas Journal, 5(3), 2184-2198. https://doi.org/10.17648/diversitas-journal-v5i3-444