Polutogramas dos sólidos e Turbidez no Córrego Vicente Pires – Distrito Federal

Resumo

RESUMO: Esta pesquisa tem como objetivo avaliar a qualidade das águas da bacia do Vicente Pires, afluente do Lago Paranoá, com o uso de polutogramas e hidrogramas, por meio de eventos de onda de cheia e de seca dos sólidos dissolvidos (SD), suspensos (SS) e totais (ST) e da turbidez. O monitoramento ocorreu no exutório do Córrego VP com a medição de nível da água, para determinação da vazão, simultaneamente a coleta de amostras de águas para análise das concentrações dos poluentes. Foram analisados 5 eventos, de 2018 a 2019, com vazões de 0,88 m³/s até 72,17 m³/s, concentrações de SD de 13 a 4.445 mg/L, SS de 0 a 5.164mg/L, e ST de 24 a 7.583 mg/L e turbidez de 6,2 a 9.522 NTU. Percebe-se, quanto aos polutogramas, que as concentrações dos sólidos e da turbidez no Córrego VP estão relacionadas com a vazão, sendo os eventos de cheia os de maiores concentrações. Portanto, este fato é relacionado com o escoamento superficial, que geram grandes vazões, lavando as superfícies dos solos, e carreando o que está depositado, como aterros das grandes obras ocorridas na bacia de drenagem. Além da poluição difusa, as grandes vazões advindas do escoamento superficial atingem o córrego causando as erosões nas margens, agravando ainda mais o problema de transporte de sedimentos. De fato, para a garantia da manutenção do Córrego VP é necessário o controle do aporte de sedimentos advindo da poluição difusa, sendo necessário a adoção de medidas compensatórias na drenagem urbana desde a sua construção.

PALAVRAS-CHAVE: Poluição difusa, Escoamento superficial, Monitoramento.

Biografia do Autor

Sergio Koide, UnB, PTARH.

Graduação em Engenharia Civil pela Universidade de Brasília (1975), especialização em Engenharia de Terminais e Oleodutos pela PETROBRÁS (1976), mestrado em Engenharia Civil (recursos hídricos) pela COPPE-UFRJ (1984) e PhD (recursos hídricos) pelo Imperial College London (1990). Atualmente é professor Associado da Universidade de Brasília. Tem experiência na área de Engenharia Sanitária, com ênfase em Recursos Hídricos, atuando nos temas: hidrologia superficial e subterrânea (quantidade e qualidade), manejo de águas pluviais, contaminação de recursos hídricos

Publicado
2021-05-30
Como Citar
Costa, M. E., & Koide, S. (2021). Polutogramas dos sólidos e Turbidez no Córrego Vicente Pires – Distrito Federal. Diversitas Journal, 6(2), 2109-2127. https://doi.org/10.17648/diversitas-journal-v6i2-1677