Identificação de fungos queratinofílicos obtidos do solo de recintos de mamíferos selvagens

Resumo

RESUMO: O solo é o principal ambiente de ocorrência da maioria dos fungos e tem grande importância para suas atividades biológicas. Este habitat abriga especialmente fungos queratinofílicos, que fazem parte de um grupo de microrganismos capazes de produzir enzimas que degradam a queratina, destacando-se os dermatófitos, agentes de micoses em humanos e animais, sendo alguns responsáveis por infecções oportunistas. Com base no exposto, este estudo teve por objetivo detectar a ocorrência de fungos queratinofílicos em solo de recintos que abrigam mamíferos selvagens. Para isso, foram coletadas 395 amostras de solo do Parque Estadual de Dois Irmãos (PEDI), localizado na cidade de Recife - PE. As amostras foram processadas pela técnica de suspensão do solo e cultivadas em placas de Petri contendo Ágar Sabouraud Dextrose acrescido de cloranfenicol. A identificação dos fungos filamentosos foi realizada através de microcultivo em lâmina, baseando-se na observação de características macro e micromorfológicas das colônias. Como resultados, foram obtidas 233 Unidades Formadoras de Colônias (UFC), das quais 85 (36,5%) eram provenientes do solo que abrigava mamíferos da ordem Carnivora, seguido por 84 UFC (36%) em solo de mamíferos da ordem Primates. Em relação aos fungos identificados, observou-se uma maior ocorrência de Microsporum gypseum com 123 UFC (52,8%), seguido por Chrysosporium sp. com 28 UFC (12,0%) e Fusarium sp. com 10 UFC (4,30%). Animais que vivem em recintos contaminados podem ser portadores assintomáticos de muitas doenças fúngicas, atuando na transmissão para outros animais e seres humanos. Como forma preventiva, salienta-se melhoria nas condições higiênicas e de manejo.

PALAVRAS-CHAVE: fungos, dermatófitos, micoses, animais selvagens.

Biografia do Autor

Alex Câmara Aragão, Centro Universitário Cesmac

Médico Veterinário formado no Centro Universitário CESMAC (2009). Pós-graduado em clínica médica de cães e gatos pela Ensino e Qualificação Superior-EQUALIS/PE, com experiência em Medicina de Animais Selvagens e clínica de pequenos animais.

Rodrigo José Nunes Calumby, Universidade Federal de Alagoas

Bacharel em Farmácia pela Universidade Federal de Alagoas (2018) e em Biomedicina pelo Centro Universitário Cesmac (2010). Atualmente é mestrando bolsista (CNPq) em Ciências Farmacêuticas pela Universidade Federal de Alagoas. Tem experiência na área de Microbiologia, com ênfase em Bacteriologia e Micologia Clínica, atuando principalmente nos seguintes temas: fungos anemófilos, atividade antimicrobiana de produtos naturais, mecanismos de resistência em bactérias Gram-positivas e microbiota intestinal de insetos.

Jackelyne Soares de Oliveira, Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas

Possui graduação em Fisioterapia pela Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (2019). Tem experiência na área de Fisioterapia e Terapia Ocupacional. 

Juliane Cabral Silva, Centro Universitário Cesmac e Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas

GRADUADA EM FISIOTERAPIA PELA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO, MESTRE EM RECURSOS NATURAIS DO SEMIÁRIDO PELA UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO E DOUTORA PELO PROGRAMA RENORBIO. DOCENTE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE ALAGOAS (UNCISAL), MINISTRANDO AS DISCIPLINAS DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR E HISTOLOGIA. ALÉM DISSO, MINISTRA AULAS NA DISCIPLINA DE MÉTODO DE AVALIAÇÃO II E SAÚDO DO ADULTO REFERENTES À DERMATOFUNCIONAL, E MASSOTERAPIA. POSSUI PROJETOS DE PESQUISAS APROVADOS COM BOLSA. ATUALMENTE EXERCE O CARGO DE SUPERVISORA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU NA UNCISAL. DOCENTE DO CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC DO CURSO DE MEDICINA, NOS MÓDULOS: BASES CELULARES E MOLECULARES I, II E III; MEMBRO DO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ANÁLISE DE SISTEMAS AMBIENTAIS (PPGASA) - CESMAC.

Isaac Manoel Barros Albuquerque, Diretor da SOS Selvagens

Graduado em Medicina Veterinária pela Universidade de Alfenas; Especialista em Clínica e Cirurgia de Animais Selvagens pela Universidade Tuiuti do Paraná; Mestre em Ciências pela Universidade de São Paulo; Membro da Comissão Nacional de Animais Selvagens do CFMV; Presidente da Comissão Regional de Animais Selvagens e Meio Ambiente do CRMV-AL; Responsável Técnico do Zoológico Pet Silvestres - AL; Fundador do ENGEAS - Encontro Nordestino dos Grupos de Estudos dos Animais Selvagens; Perito Ambiental Especialista em Fauna; Diretor da SOS Selvagens; Consultor Ambiental.

Maria Anilda dos Santos Araújo, Centro Universitário CESMAC e Centro Universitário Tiradentes (UNIT)

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Alagoas (1997), mestrado em Biologia de Fungos pela Universidade Federal de Pernambuco (2001) e doutorado em Biologia de Fungos pela Universidade Federal de Pernambuco (2006). Atualmente é professor titular I do Centro Universitário Tiradentes, lecionando as disciplinas de microbiologia geral, microbiologia clínica e parasitologia e colaborador do setor de micologia - Diagnóstico Laboratorial S/C. Tem experiência na área de Microbiologia, com ênfase em Biologia de fungos, atuando principalmente nos seguintes temas: micoses superficiais, subcutâneas, profundas e oportunistas, fungos do solo, do ar, de animais e do homem, fungos queratinofílicos, antifugigrama, bacteriologia clínica e parasitologia clínica.

Publicado
2020-10-27
Como Citar
Aragão, A. C., Calumby, R. J. N., Oliveira, J. S. de, Silva, J. C., Albuquerque, I. M. B., & Araújo, M. A. dos S. (2020). Identificação de fungos queratinofílicos obtidos do solo de recintos de mamíferos selvagens. Diversitas Journal, 5(4), 2735-2745. https://doi.org/10.17648/diversitas-journal-v5i4-1363