Capacidade antioxidante em frutos de diferentes genótipos de pinheira (Annona squamosa L. X Annona Cherimola)

  • José Dailson Silva de Oliveira Universidade Federal de Alagoas
  • Maria Gleysiane Souza dos Santos Universidade Estadual de Alagoas
  • Jean Tiago Correia Lima Universidade Estadual de Alagoas
  • Walter Soares Costa Filho Centro Universitário Cesmac
  • Kelly Cristina Barbosa Silva Santos UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS - UNEAL / PESQUISADORA
  • João Gomes da Costa Centro Universitário Cesmac

Resumo

Antioxidant capacity in fruits of different pineapple genotypes (Annona squamosa L. x Annona Cherimola)

RESUMO: Os alimentos contêm nutrientes que são essenciais para os mecanismos de defesa das células contra os radicais livres. Diversas frutas e hortaliças são capazes de combater esses radicais livres, sendo assim antioxidantes naturais. Este trabalho teve como objetivo avaliar a capacidade antioxidante dos frutos dos diferentes genótipos de pinheira e um híbrido de atemoieira, oriundos do programa de melhoramento genético da Embrapa Tabuleiros Corteiros/Unidade de Execução de Pesquisa de Rio Largo, com o intuito de contribuir para seleção de genótipos promissores e obter material genético com valor agregado. Amostras maduras de frutos das espécies Anonna Squamosa L. e Annona Atemóya foram coletadas no município alagoano de Palmeira dos Índios, para que fosse investigada a sua habilidade de sequestrar o radical livre 2,2-difenil-1-picrilhidrazil (DPPH) e sua capacidade de inibir a oxidação. Para obtenção dos extratos, foi separada a polpa das amostras e foram transferidos para erlenmeyers, onde cada amostra recebeu um volume de 350 mL de etanol. Após 72 horas o material sobrenadante foi coletado e adicionado mais 350 mL de etanol ao material restante. Este processo foi repetido por três vezes. O sobrenadante foi coletado, filtrado e evaporado por meio de um rotaevaporador, tendo-se no final deste processo o extrato bruto. A Atemóia apresentou 92,42% de atividade antioxidante numa concentração de 2,5 mg/mL, enquanto um dos extratos de uma amostra de pinha apresentou 98,62% de atividade antioxidante, em uma concentração de 5,0 mg/mL. Esses resultados evidenciam que ganhos genéticos podem ser obtidos através de métodos simples de melhoria.

PALAVRAS-CHAVE: fitoquímica, captura de radicais livres, DPPH.

 

ABSTRACT: Food contains nutrients that are essential for the defense mechanisms of cells against free radicals. Various fruits and vegetables are able to fight these free radicals, thus being natural antioxidants. The objective of this work was to evaluate the antioxidant capacity of the fruits of the different genotypes of pinheira and a hybrid of atemoieira, from the genetic improvement program of Embrapa Tabuleiros Corteiros/Research Execution Unit of Rio Largo, with the purpose of contributing to the selection of promising genotypes and to obtain value-added genetic material. Mature samples of fruits of the species Anonna Squamosa L. and Annona Atemóya were collected in the municipality of Palmeira dos Índios, Alagoas, to investigate their ability to sequester the free radical 2,2-diphenyl-1-picrylhydrazyl (DPPH) and its capacity inhibit oxidation. To obtain the extracts, the pulp was separated from the samples and transferred to erlenmeyers, where each sample received a volume of 350 mL of ethanol. After 72 hours the supernatant was collected and an additional 350 mL of ethanol was added to the remaining material. This process was repeated three times. The supernatant was collected, filtered and evaporated by means of a rotavaporator, at the end of which the crude extract was obtained. Atemóia presented 92.42% antioxidant activity at a concentration of 2,5 mg/mL, while one extract of a pineapple sample presented 98.62% antioxidant activity, at a concentration of 5,0 mg/mL. These results show that genetic gains can be obtained through simple improvement methods.

KEYWORDS: phytochemistry, capture of free radicals, DPPH. 

Biografia do Autor

José Dailson Silva de Oliveira, Universidade Federal de Alagoas
Doutorando do Centro de Ciências Agrárias; Universidade Federal de Alagoas (UFAL); Maceió, Alagoas
Maria Gleysiane Souza dos Santos, Universidade Estadual de Alagoas
Bolsista de Iniciação Científica PIBIC do Curso de Ciências Biológicas; Universidade Estadual de Alagoas (UNEAL); Arapiraca, Alagoas
Jean Tiago Correia Lima, Universidade Estadual de Alagoas
Graduando em Química; Universidade Estadual de Alagoas; Arapiraca, Alagoas
Walter Soares Costa Filho, Centro Universitário Cesmac
Graduando do Programa de Pós-Graduação Análise de Sistemas Ambientais; Centro Universitário Cesmac; Maceió, Alagoas
Kelly Cristina Barbosa Silva Santos, UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS - UNEAL / PESQUISADORA
Possui graduação em Ciências Biológicas pela Fundação Universidade Estadual de Alagoas – FUNESA (2004), graduação em Farmácia (Generalista) pela Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde – FEJAL (2009). Pós-Graduação em Latu Sensu em Gestão Ambiental pela Universidade Estadual de Alagoas – UNEAL (2006), Pós-Graduação em Latu Sensu em Hematologia Laboratorial pela FEJAL, Pós-Graduação em Gestão da Assistência Farmacêutica – EaD (2017), Extensão Universitária das disciplinas de Farmacologia Clínica pela UNITER (2015). Foi pesquisadora bolsista do Programa Semente de Iniciação Científica – PSIC (2006/2007), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq (2007/2008) e colaboradora do PSIC (2007/2008). Farmacêutica do Núcleo de Apoio a Saúde da Família – NASF de Arapiraca/AL (2009/2016). Gerente da Central de Assistência Farmacêutica – CEAF Arapiraca/AL (2017), Farmacêutica da CEAF (2017-2018) e atualmente Farmacêutica do Núcleo de segurança do Paciente do Município de Arapiraca/AL vinculado a Vigilância Sanitária.
João Gomes da Costa, Centro Universitário Cesmac
Professor do Programa de Pós-Graduação Análise de Sistemas Ambientais; Centro Universitário Cesmac; Maceió, Alagoas

Referências

BARREIROS, A. L. B. S.; DAVID, J. M.; DAVID, J. P. Estresse oxidativo: relação entre gerações de espécies reativas e defesa do organismo. Revista Química Nova, vol. 29, nº 1, p. 113-123, 2006.

BORGUINI, R. G. Avaliação do potencial antioxidante e de algumas características físico-químicas do tomate (Lycopersicum esculentum) orgânico em comparação ao convencional. 2006. Dissertação apresentada ao Programa de Pós Graduação em Nutrição da Faculdade de Saúde Pública/USP para obtenção do título de Doutor. São Paulo, 2006.

DUARTE-ALMEIDA, J. M.; et al. Avaliação da atividade antioxidante utilizando sistema β-caroteno/ácido linoleico e método de sequestro de radicais DPPH. Revista Ciências Tecnologica Alimentar, vol. 26, nº 2, p. 446-452, 2006.

LOCK, K; et al. The global burden of disease attributable to low consumption of fruit and vegetables: implications for the global strategy on diet. Bull World Health Organ, vol. 83, nº 2, p. 100-108, 2005.

MATOS, F. J. A. Introdução à fitoquímica experimental. Fortaleza/CE: Edições UFC. 1988.

MELO, E. A.; et al. Capacidade antioxidante de frutas. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, vol. 44, nº 2, p. 193-201, 2008.

OLIVEIRA, G. L. S. Determinação da capacidade antioxidante de produtos naturais in vitro pelo método do DPPH•: estudo de revisão. Rev. bras. plantas med. [online]. 2015, vol.17, n.1, pp.36-44. ISSN 1516-0572.

PEREIRA, A.C.S. Qualidade, compostos bioativos e atividade antioxidante total de frutas tropicais e cítricas produzidas no Ceará. 2009. 120 p. Dissertação (Mestrado em Tecnologia de Alimentos), Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Ceará, 2009.

PRIOR, R.L.; et al. Antioxidant capacity as influenced by total phenolic and anthocyanin content, maturity and variety of Vaccinium species. Jornal of Agricultural Food Chemistry, vol. 46, nº 7, p. 2686-2693.

REIS, N. C.; et al. Atividade antioxidante e o teor de taninos e fenóis totais dos frutos de Annona muricata L. Revista Vértices, v.15, nº 3, p. 93-110, 2013.

RIBEIRO, E.M.G. Atividade antioxidante e polifenóis totais do fruto de cagaita (Eugenia dysenterica DC) com e sem casca. 2011. 77 p. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas) – Faculdade de Farmácia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

Publicado
2019-02-18
Seção
Dossiê Temático - O potencial biológico de plantas